ACADEMIA MAÇÔNICA DE LETRAS DE MATO GROSSO DO SUL

Fundada em 13 de Maio de 1999 - Utilidade Pública Estadual - Lei nº 3.961 - CNPJ 03.615.617/0001-00

Rua São Félix, 789 - Vilas Boas - CEP 79051210 - Campo Grande - MS - amlmscg@amlms.com.br - (67) 3026-5646

NOTA À IMPRENSA

27.05.2019

NOTA À IMPRENSA

18.05.2019

NOTA À IMPRENSA

08.05.2019

FELICITAÇÕES

ACADEMIA MAÇÔNICA DE LETRAS DE MATO GROSSODO SUL

Tem a honra de exaltar o trabalho de nossa confreira Delasnieve Miranda Daspet de Souza, p...

FELICITAÇÕES ACADEMIA MAÇÔNICA DE LETRAS DE MATO GROSSO DO SUL

24.04.2019

O universo em seus braços.

24.04.2019

1/6
Please reload

RELATÓRIO FINAL

I ENCONTRO NACIONAL DE ACADEMIAS MAÇÔNICAS DE LETRAS

encontro.png

A Academia Maçônica de Letras de Mato Grosso do Sul (AMLMS) apresentou ao Brasil durante o I Encontro Nacional de Academias Maçônicas de Letras, realizado em Corumbá/MS nos dias 21 e 22 de setembro de 2018, uma proposta aberta para discussão de políticas públicas de cultura. Foi constatada uma necessidade de se colaborar, em princípio, com a integração dos nossos irmãos reunidos e congregados em suas Academias Maçônicas de Letras em todo o território nacional.
Elaboramos propostas para nos unirmos em torno de boas políticas, para que possamos alcançar êxito em uma política cultural voltada aos reais interesses de nossa sociedade. Para isso, se faz necessário que nos aproximemos de bons políticos, notadamente de nossos irmãos que exercem cargos públicos.

COMITIVA
ESPERANÇA

GRUPO DE DANÇA APRESENTA 
COREOGRAFIA TRADICIONAL DURANTE O ENCONTRO

O grupo Oficina de Dança e Coreografia Comitiva Esperança encantou os convidados do Encontro com uma apresentação ao som de clássicos da música regional, como “Comitiva Esperança” e “Chalana”. Segundo Kleber Costa, que está no grupo desde sua fundação, a coreografia foi criada há mais de 20 anos e vem sendo passada de geração em geração. “Ela foi criada em 1995 quando surgiu o grupo, e como a gente tinha uma representatividade muito forte dentro da cidade fomos convidados pela Fundação de Cultura para representar a cultura sul-mato-grossense nacionalmente. Já fomos para duas edições do Festival Nacional de Danças Folclóricas de Blumenau, e lá foi o grande estouro da cultura sul-mato-grossense, que não era tão conhecida fora do Estado”, conta.

 O compositor Paulo Simões, autor da música “Comitiva Esperança”, estava presente no evento, onde foi homenageado com a Medalha do Mérito Cultural ‘‘Fadel Tajher Iunes’’, e se emocionou ao ver sua composição sendo apresentada com tanta maestria pelo grupo. “Pra mim é uma honra, um orgulho, porque desde pequena cresci vendo isso e hoje faço parte, é emocionante. Eu nunca enjoo, toda vez que danço é como se fosse a primeira vez”, afirma Bruna Castro, integrante da formação há 10 anos. “A coreografia passou por várias modificações ao longo dos anos, hoje temos uma apresentação de 10 minutos onde agregamos as principais músicas que realmente representam nosso Estado, que a gente vê que mexem com o coração das pessoas”, finaliza Kleber. 

LITERATURA NAS ESCOLAS

Os autores regionais, com raras exceções, são muito pouco conhecidos. É muito mais fácil uma pessoa ler uma obra de um escritor estrangeiro, ou mesmo de outro Estado, do que se interessar por um trabalho regional. Ler e conhecer a cultura regional também faz parte da nossa realidade. Como muitos sabem, aqui existem muitas coisas além da música, escultura ou pintura.
Para Antônio Alves Guimarães, ou para quem preferir, apenas Guimarães Rocha, os chamados “pacotes” impostos na atualidade contribuem para idiotizar o aluno. Isso nem sempre pelo conteúdo literário, mas principalmente pela forma fechada como são dirigidos.

Please reload